Manga brasileira no exterior

Manga brasileira no exterior

O País foi um grande destaque no mercado internacional de manga em 2015. Além da atratividade do câmbio, o mercado europeu, principal comprador da fruta brasileira, estava desabastecido devido à quebra de safra em países que competem com o Brasil.

As exportações brasileiras de manga destinam-se, majoritariamente, para a União Europeia, vindo, em seguida, a América do Norte. No caso da União Europeia, o mais importante importador é a Holanda. No entanto, grande parte da manga é reexportada para outros países, seja da própria União Europeia, como para o Oriente Médio.

O Brasil, mais precisamente o Vale do São Francisco, por possuir condições climáticas favoráveis e dispor de tecnologia para manejar a época de produção da mangueira, pode exportar durante todo o período em que há uma menor concentração da oferta no mercado internacional.

O desenvolvimento de novas tecnologias no cultivo da mangueira tem ampliado, significativamente, as exportações. A tendência é uma redução da sazonalidade e consequente ampliação de concorrência. Nesse contexto, a regularidade no fornecimento e a qualidade, a preços competitivos, são requisitos essenciais para manter as exportações. Um fato favorável ao produto nacional, com relação aos nossos principais concorrentes, principalmente o sul americanos, são as condições climáticas das zonas de cultivo.

Segundo Ricardo Munhoz – Engº Agrônomo / Ceasa Campinas, as exportações de manga em 2015 foram de 156.337 ton e superaram as de 2014 em 18 %. No entreposto campineiro, foram comercializadas em 2015 11.701 ton de mangas. As variedades Tommy e Palmer, representaram aproximadamente 90% da comercialização.

Preferência do consumidor

O mercado internacional de manga, assim como da maioria dos produtos, varia de acordo com as preferências e exigências dos consumidores, que preferem mangas com melhor sabor (mais sólidos solúveis) e menor quantidade de fibras.

No mercado nacional, a manga é comercializada quase exclusivamente na forma in natura, embora também possa ser encontrada nas formas de suco integral e polpa congelada. A polpa pode ser empregada na elaboração de doces, geleias, sucos e néctares, além de poder ser adicionada a sorvetes, misturas de sucos, licores e outros produtos.

Para Simone Menezes – Nutricionista do depto de Alimentação Escolar da Ceasa Campinas, “a manga possui propriedades funcionais por ter em sua composição carotenos que lhe confere a cor amarela e têm ação antioxidante, além de possuir alto teor de vitamina C, fibras e compostos fenólicos. Todos esses compostos trazem benefícios para nossa pele, saúde cardiovascular e intestino. Vale a pena incluir essa fruta em sua alimentação” – concluiu.

Fonte: Ceasa Campinas

Compartilhar matéria:

Posts relacionados

Agradecimento do Presidente da ABRACEN Safra da goiaba reduz preço da fruta em 20% Presidente da Abracen visita Ceasa Curitiba Produtores da CeasaMinas destacam benefícios do Pronaf

Deixe seu comentário