Caqui em safra tem queda de 45% no preço no CEASA MG

Caqui em safra tem queda de 45% no preço no CEASA MG

A chegada do outono no país coincide com a safra de uma fruta, cuja origem grega do nome significa “alimento dos deuses”. Trata-se do caqui, que neste mês de março ficou cerca de 45% mais barato em relação ao início de safra, no mês de janeiro, no atacado do entreposto de Contagem da CeasaMinas. Minas Gerais é o destaque na oferta, já que aproximadamente 70% dos caquis comercializados em 2017 foram provenientes do estado, tendo São Paulo ocupando o segundo lugar em procedência, com 28,5% do total.

Em relação ao mesmo período do ano passado, os preços médios praticados estão praticamente estáveis. O valor do quilo no atacado, entre 1o e 21 de março, ficou em R$ 2,79/kg, próximo dos R$ 2,76/kg de 2017 e

dos R$ 2,78/kg de 2016, nos mesmos meses.

O produtor Herbert Rettore, do município de Antônio Carlos (MG), afirma que, embora os preços que ele pratica estejam estáveis em relação à safra de 2017, os custos aumentaram, principalmente com mão de obra, fertilizantes e óleo diesel. Dependendo do tamanho, os preços atuais variam R$ 6 a R$ 8, a caixa com quatro bandejinhas. “O preço mínimo para termos alguma rentabilidade seria de R$ 10 a R$ 12”, afirma.

Uma estratégia para melhorar os ganhos foi apostar na variedade costata, um tipo que pode ser colhido precocemente, quando os preços do caqui ainda estão mais altos. Rettore diz que começou a colhê-lo em janeiro, quando o preço estava em R$ 18 a caixa com 4 bandeijas. “Mas esse é um preço inviável para ser repassado ao consumidor. Além disso, o volume é pequeno, o que não nos permite ter um giro muito grande”, explica.

Já o produtor Carlos Henrique Pires, de Barbacena (MG), diz que as variedades com as quais trabalha, o fuyu e o rama forte, têm ficado mais baratos se comparados a 2017. “No ano passado, eu vendia fácil a caixa com 4 bandejas por R$ 8. Neste ano, tá mais difícil conseguir preço por causa da maior oferta. Na última segunda-feira (19/3), por exemplo, teve caqui no fim da manhã sendo vendido a R$ 3/caixa”.

Segundo ele, a variedade fuyu é mais crocante e doce que as demais, além de mais durável. “Para o varejista, significa mais tempo na banca do sacolão, evitando perdas”, afirma.

De acordo com o calendário de sazonalidade da CeasaMinas, o período de safra do caqui, e portanto de menores preços, se concentra entre os meses de fevereiro a junho.

Saúde

Entre os vários benefícios nutricionais do caqui, está seu poder de prevenção de males da visão, como aqueles que afetam a retina e podem ocasionar cegueira. Tais danos são causados pela ação de radicais livres, substâncias que, quando em acúmulo, geram o chamado estresse oxidativo. Um estudo de 2014 da Universidade de McMaster, no Canadá, atestou a importância dos antioxidantes para proteger o olho do dano da retina.

O estresse oxidativo contribui para o desenvolvimento de doenças crônicas e degenerativas. Uma das formas de se neutralizar esse mal é justamente por meio da ingestão de determinados alimentos e/ou suplementos ricos em antioxidantes.

Um outro trabalho científico, realizado no Departamento de Nutrição da Universidade de Brasília (DF), analisou justamente as propriedades antioxidantes presentes no caqui.

Outras informações sobre produtos em safra, Boletim Diário de Preços, dentre outros tópicos relacionados à comercialização de produtos podem ser acessados no link Informações de Mercado, no site da CeasaMinas.

Mais informações:

Departamento de Comunicação CeasaMinas (31) 3399-2011/2012/2036

Foto: Produtor Herbert Rettore começou a colher em janeiro o caqui costata, uma variedade precoce em relação aos demais tipos da fruta

Crédito: Verlan A. Homem

Compartilhar matéria:

Deixe seu comentário